sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Cartoon Elias - 30 Dezembro 2011

Memória Histórica - 30 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: Edwin Hubble anuncia a existência de outras galáxias. Lenine proclama a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Inauguração do metropolitano de Tóquio. Frank Sinatra gera onda de histeria em Nova Iorque. Nasceram Rudyard Kipling, Leonardo Coimbra, Patti Smith e Tiger Woods. A morte de Saddam Hussein. Os Peter, Paul and Mary com "Leaving on a jet plane".

Memória Histórica - 29 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: Inaugurado o Metropolitano de Lisboa. Ocorreu no Dakota do Sul o massacre de Wounded Knee. Londres foi alvo de um bombardeamento devastador durante a Segunda Guerra Mundial. Hong Kong começou a abater 1,25 milhões de galinhas. Nasceram Madame de Pompadour, Pablo Casals, Cândido Portinari, Jude Law e Grigori Rasputin. Robbie Williams canta "Sexed Up".

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Cartoon Elias - 28 Dezembro 2011

Memória Histórica - 28 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: Os irmãos Lumière apresentaram a primeira sessão pública com o seu cinematógrafo. Estreou em Paris a peça "Cyrano de Bergerac". O americano William Finley Semple patenteou a pastilha elástica. Nasceram João Domingos Bomtempo, Friedrich Murnau, Jorge Pinto da Costa, José Pedro Gomes, Denzel Washington e Susan Sontag. Os Beatles tocam "Obladi-Oblada".

Cartoon Elias - 27 Dezembro 2011

Memória Histórica - 27 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: Assinado o Tratado de Methuen entre Portugal e Inglaterra. Charles Darwin iniciou uma volta ao mundo a bordo do navio Beagle. Abriu em Nova Iorque o Radio City Music Hall. Nasceram Johannes Keppler, Louis Pasteur, Marlene Dietrich e Gérard Depardieu. Leonard Cohen canta "Suzanne".

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Navegadores Portugueses - Passos Coelho

Passos Coelho disse ter "a certeza" de que no próximo ano o Governo vai cumprir as metas com que se comprometeu, acrescentando: "E a partir de 2013 todos estaremos mais confiantes de que Portugal terá dobrado o cabo das tormentas".

“Os Lusíadas” Canto V - Estrofe XLVI

"Outro também virá, de honrada fama,
Liberal, cavaleiro, enamorado,
E consigo trará a formosa dama
Que Amor por grão mercê lhe terá dado.

Triste ventura e negro fado os chama
Neste terreno meu, que, duro e irado,
Os deixará dum cru naufrágio vivos,
Para verem trabalhos excessivos."



Kim-Jong-Un - O Senhor que se segue

O aprendiz de ditador

Cartoon Elias - 26 Dezembro 2011

Memória Histórica - 26 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: Sismo e tsunami assolam o sudoeste asiático. Revista "Time" escolhe o computador como o "Homem do Ano". Termina oficialmente a União Soviética. Nasceram Charles Babbage, Henry Miller, Mao Tse-Tung e José Ramos-Horta. George Harrison, em carreira a solo, chega ao top com "My Sweet Lord".

Memória Histórica - 25 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: Na noite de Natal, trégua espontânea entre tropas inglesas e alemãs na I Guerra Mundial. Carlos Magno é coroado imperador. Nasce a tradição do presépio. Gorbachev abandona a União Soviética. Nasceram Humphrey Bogart, Anwar El Sadat, Annie Lenox, Charles Chaplin, Nicolae Ceausescu. Os Eagles chegaram ao top com "Hotel California".

sábado, 24 de dezembro de 2011

PUTA QUE OS PARIU!

Biografia de Luiz Pacheco, de João Pedro George.

Recomendação: Ofereça este Natal o livro a todos os políticos. Entretanto, dedico a capa deste livro ao "XIX Governo Constitucional" liderado por Pedro Passos Coelho que afirmam e acreditam, que o roubo dos subsídios de férias e de natal são uma redução da receita e não um aumento de imposto.

Cartoon Elias - 24 Dezembro 2011

Memória Histórica - 24 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: Franz Gruber compôs "Stille Nacht" ("Noite Feliz", em português). Voltaire publicou as "Cartas Filosóficas". Primeira emissão de um programa de rádio com voz e música. A União Soviética começou a ocupação do Afeganistão. Foi tirada a primeira imagem a cores da Terra, a surgir por cima do horizonte da Lua. Nasceram Inácio de Loyola, Elisabeth da Baviera, Ava Gardner, Stephenie Meyer, Valentim Loureiro e Vasco da Gama. Os Bee Gees tocam "How deep is your Love".

Viagra Presidencial

(clicar imagem)
O Chefe de Estado afirmou que "Este ano de 2011 foi um ano difícil, um ano exigente e com certeza que o ano que vem aí não será um ano menos exigente, por isso eu faço votos para que a todos os membros do Governo não falte a energia, a resistência para levar por diante a boa governação que o país precisa. E não apenas resistência física, é preciso também resistência psicológica".

Esta é boa! Significa então que o Chefe de Estado já vê nos membros do Governo um grande desgaste físico e psicológico.

Conselho do Chefe de Estado: Pastilhas "Viagra".

Cartoon Elias - 23 Dezembro 2011

Memória Histórica - 23 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: Primeira demonstração do transístor. Resgatados os 16 sobreviventes do acidente aéreo dos Andes. Tropas soviéticas invadem o Afeganistão. Vincent van Gogh corta a orelha direita. Nascem Joseph Smith, Giuseppe Tomasi di Lampedusa e Carla Bruni. Os The Champs gravaram Tequila.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Eco Político - Boas Festas

video

Memória Histórica - 22 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: O povo da Roménia depôs o ditador Nicolae Ceausescu. Caetano Veloso e Gilberto Gil foram presos, no Rio de Janeiro, por protestarem contra a ditadura. Foi criado o primeiro cordão de luzes de Natal. Foi descoberto um celacanto, peixe primitivo. Jean Racine. Nasceram Giacomo Puccini, Filippo Marinetti, os Bee Gees, Jean-Michel Basquiat, Chico Mendes. Madonna estreia-se no top americano com "Like a Virgin".

Como mudam os tempos!?

(clicar imagem)
A realidade portuguesa.
Medite por favor.

Kit de Emigração do Governo de Portugal

(clicar imagem)

Lotaria do Natal 2011

Governo de Portugal - Feliz Natal

Cartoon Elias - 22 Dezembro 2011

Cartoon Elias - 21 Dezembro 2011

Memória Histórica - 21 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: Estreia de "Branca de Neve e os Sete Anões". O desastre aéreo de Lockerbie. Navegadores portugueses chegam a S. Tomé e Príncipe. As primeiras palavras-cruzadas num jornal. Nasceram Josef Estaline, Jane Fonda, Paco de Lucia, Samuel L. Jackson. Louis Jordan e "Let the good times roll".

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

“Emigre você, Senhor Primeiro-Ministro.”

Carta publicada no Facebook e dirigida ao Primeiro-Ministro, por Myriam Zaluar, investigadora com um ordenado fixo de 405 euros e apenas durante sete meses por ano. Fez 42 anos no dia em que resolveu responder ao apelo de emigração de Passos Coelho.

"Exmo Senhor Primeiro-Ministro

Começo por me apresentar, uma vez que estou certa que nunca ouviu falar de mim. Chamo-me Myriam. Myriam Zaluar é o meu nome "de guerra". Basilio é o apelido pelo qual me conhecem os meus amigos mais antigos e também os que, não sendo amigos, se lembram de mim em anos mais recuados.

Nasci em França, porque o meu pai teve de deixar o seu país aos 20 e poucos anos. Fê-lo porque se recusou a combater numa guerra contra a qual se erguia. Fê-lo porque se recusou a continuar num país onde não havia liberdade de dizer, de fazer, de pensar, de crescer. Estou feliz por o meu pai ter emigrado, porque se não o tivesse feito, eu não estaria aqui. Nasci em França, porque a minha mãe teve de deixar o seu país aos 19 anos. Fê-lo porque não tinha hipóteses de estudar e desenvolver o seu potencial no país onde nasceu. Foi para França estudar e trabalhar e estou feliz por tê-lo feito, pois se assim não fosse eu não estaria aqui. Estou feliz por os meus pais terem emigrado, caso contrário nunca se teriam conhecido e eu não estaria aqui. Não tenho porém a ingenuidade de pensar que foi fácil para eles sair do país onde nasceram. Durante anos o meu pai não pôde entrar no seu país, pois se o fizesse seria preso. A minha mãe não pôde despedir-se de pessoas que amava porque viveu sempre longe delas. Mais tarde, o 25 de Abril abriu as portas ao regresso do meu pai e viemos todos para o país que era o dele e que passou a ser o nosso. Viemos para viver, sonhar e crescer.

Cresci. Na escola, distingui-me dos demais. Fui rebelde e nem sempre uma menina exemplar mas entrei na faculdade com 17 anos e com a melhor média daquele ano: 17,6. Naquela altura, só havia três cursos em Portugal onde era mais dificil entrar do que no meu. Não quero com isto dizer que era uma super-estudante, longe disso. Baldei-me a algumas aulas, deixei cadeiras para trás, saí, curti, namorei, vivi intensamente, mas mesmo assim licenciei-me com 23 anos. Durante a licenciatura dei explicações, fiz traduções, escrevi textos para rádio, coleccionei estágios, desperdicei algumas oportunidades, aproveitei outras, aprendi muito, esqueci-me de muito do que tinha aprendido.

Cresci. Conquistei o meu primeiro emprego sozinha. Trabalhei. Ganhei a vida. Despedi-me. Conquistei outro emprego, mais uma vez sem ajudas. Trabalhei mais. Saí de casa dos meus pais. Paguei o meu primeiro carro, a minha primeira viagem, a minha primeira renda. Fiquei efectiva. Tornei-me personna non grata no meu local de trabalho. "És provavelmente aquela que melhor escreve e que mais produz aqui dentro." - disseram-me - "Mas tenho de te mandar embora porque te ris demasiado alto na redacção". Fiquei.

Aos 27 anos conheci a prateleira. Tive o meu primeiro filho. Aos 28 anos conheci o desemprego. "Não há-de ser nada, pensei. Sou jovem, tenho um bom curriculo, arranjarei trabalho num instante". Não arranjei. Aos 29 anos conheci a precariedade. Desde então nunca deixei de trabalhar mas nunca mais conheci outra coisa que não fosse a precariedade. Aos 37 anos, idade com que o senhor se licenciou, tinha eu dois filhos, 15 anos de licenciatura, 15 de carteira profissional de jornalista e carreira "congelada". Tinha também 18 anos de experiência profissional como jornalista, tradutora e professora, vários cursos, um CAP caducado, domínio total de três línguas, duas das quais como "nativa". Tinha como ordenado "fixo" 485 euros x 7 meses por ano. Tinha iniciado um mestrado que tive depois de suspender pois foi preciso escolher entre trabalhar para pagar as contas ou para completar o curso. O meu dia, Senhor Primeiro Ministro, só tinha 24 horas...

Cresci mais. Aos 38 anos conheci o mobbying. Conheci as insónias noites a fio. Conheci o medo do amanhã. Conheci, pela vigésima vez, a passagem de bestial a besta. Conheci o desespero. Conheci - felizmente! - também outras pessoas que partilhavam comigo a revolta. Percebi que não estava só. Percebi que a culpa não era minha. Cresci. Conheci-me melhor. Percebi que tinha valor.

Senhor Primeiro-Ministro, vou poupá-lo a mais pormenores sobre a minha vida. Tenho a dizer-lhe o seguinte: faço hoje 42 anos. Sou doutoranda e investigadora da Universidade do Minho. Os meus pais, que deviam estar a reformar-se, depois de uma vida dedicada à investigação, ao ensino, ao crescimento deste país e das suas filhas e netos, os meus pais, que deviam estar a comprar uma casinha na praia para conhecerem algum descanso e descontracção, continuam a trabalhar e estão a assegurar aos meus filhos aquilo que eu não posso. Material escolar. Roupa. Sapatos. Dinheiro de bolso. Lazeres. Actividades extra-escolares. Quanto a mim, tenho actualmente como ordenado fixo 405 euros X 7 meses por ano. Sim, leu bem, Senhor Primeiro-Ministro. A Universidade na qual lecciono há 16 anos conseguiu mais uma vez reduzir-me o ordenado. Todo o trabalho que arranjo é extra e a recibos verdes. Não sou independente, Senhor Primeiro-Ministro. Sempre que tenho extras tenho de contar com apoios familiares para que os meus filhos não fiquem sozinhos em casa. Tenho uma dívida de mais de cinco anos à Segurança Social que, por sua vez, deveria ter fornecido um dossier ao Tribunal de Família e Menores há mais de três a fim que os meus filhos possam receber a pensão de alimentos a que têm direito pois sou mãe solteira. Até hoje, não o fez.

Tenho a dizer-lhe o seguinte, Senhor Primeiro-Ministro: nunca fui administradora de coisa nenhuma e o salário mais elevado que auferi até hoje não chegava aos mil euros. Isto foi ainda no tempo dos escudos, na altura em que eu enchia o depósito do meu renault clio com cinco contos e ia jantar fora e acampar todos os fins-de-semana. Talvez isso fosse viver acima das minhas possibilidades. Talvez as duas viagens que fiz a Cabo-Verde e ao Brasil e que paguei com o dinheiro que ganhei com o meu trabalho tivessem sido luxos. Talvez o carro de 12 anos que conduzo e que me custou 2 mil euros a pronto pagamento seja um excesso, mas sabe, Senhor Primeiro-Ministro, por mais que faça e refaça as contas, e por mais que a gasolina teime em aumentar, continua a sair-me mais em conta andar neste carro do que de transportes públicos. Talvez a casa que comprei e que devo ao banco tenha sido uma inconsciência mas na altura saía mais barato do que arrendar uma, sabe, Senhor Primeiro-Ministro. Mesmo assim nunca me passou pela cabeça emigrar...

Mas hoje, Senhor Primeiro-Ministro, hoje passa. Hoje faço 42 anos e tenho a dizer-lhe o seguinte, Senhor Primeiro-Ministro: Tenho mais habilitações literárias que o senhor. Tenho mais experiência profissional que o senhor. Escrevo e falo português melhor do que o senhor. Falo inglês melhor que o senhor. Francês então nem se fale. Não falo alemão mas duvido que o senhor fale e também não vejo, sinceramente, a utilidade de saber tal língua. Em compensação falo castelhano melhor do que o senhor. Mas como o senhor é o Primeiro-Ministro e dá tão bons conselhos aos seus governados, quero pedir-lhe um conselho, apesar de não ter votado em si. Agora que penso emigrar, que me aconselha a fazer em relação aos meus dois filhos, que nasceram em Portugal e têm cá todas as suas referências? Devo arrancá-los do seu país, separá-los da família, dos amigos, de tudo aquilo que conhecem e amam? E, já agora, que lhes devo dizer? Que devo responder ao meu filho de 14 anos quando me pergunta que caminho seguir nos estudos? Que vale a pena seguir os seus interesses e aptidões, como os meus pais me disseram a mim? Ou que mais vale enveredar já por outra via (já agora diga-me qual, Senhor Primeiro-Ministro) para que não se torne também ele um excedentário no seu próprio país? Ou, ainda, que venha comigo para Angola ou para o Brasil por que ali será com certeza muito mais valorizado e feliz do que no seu país, um país que deveria dar-lhe as melhores condições para crescer pois ele é um dos seus melhores - e cada vez mais raros - valores: um ser humano em formação.

Bom, esta carta que, estou praticamente certa, o senhor não irá ler já vai longa. Quero apenas dizer-lhe o seguinte, senhor primeiro-ministro: aos 42 anos já dei muito mais a este país do que o senhor. Já trabalhei mais, esforcei-me mais, lutei mais e não tenho qualquer dúvida de que sofri muito mais. Ganhei, claro, infinitamente menos. Para ser mais exacta o meu IRS do ano passado foi de 4 mil euros. Sim, leu bem, Senhor Primeiro-Ministro. No ano passado ganhei 4 mil euros. Deve ser das minhas baixas qualificações. Da minha preguiça. Da minha incapacidade. Do meu excedentarismo. Portanto, é o seguinte, Senhor Primeiro-Ministro: emigre você, Senhor Primeiro-Ministro. E leve consigo os seus ministros. O da mota. O da fala lenta. O que veio do estrangeiro. E o resto da maralha. Leve-os, Senhor Primeiro-Ministro, para longe. Olhe, leve-os para o Deserto do Sahara. Pode ser que os outros dois aprendam alguma coisa sobre acordos de pesca.

Com o mais elevado desprezo e desconsideração, desejo-lhe, ainda assim, Feliz Natal OU Feliz Ano Novo à sua escolha, Senhor Primeiro-Ministro. E como eu sou aqui sem dúvida o elo mais fraco, adeus.

Myriam Zaluar, 19/12/2011"


terça-feira, 20 de dezembro de 2011

"Como dizia o Cesariny", por Nicolau Santos & Manuel Lourenço

video
Poema de Nicolau Santos

Emigração Portuguesa II

Uma classe política que resolve os problemas de desemprego dos portugueses incentivando-os a emigrarem.

Emigração Portuguesa I

Um Primeiro-Ministro que convida os portugueses a emigrarem o quanto antes, sugerindo um olhar atento para o "mercado da língua portuguesa" como uma alternativa ao desemprego que afecta Portugal, é minimamente despresível.

Não sabe governar com o desemprego e como tal não serve Portugal.

Está na hora de fazer as malas e partir para Angola, Brasil, Moçambique ou Timor.

Cartoon Elias - 20 Dezembro 2011

Memória Histórica - 20 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: Passagem de Macau à administração chinesa. A IFOR, missão de manutenção da paz da NATO, chega à Bósnia. O assassinato de Luis Carrero Blanco. Nasceram Gigliola Cinquetti, Ashley Cole. Morreu John Steinbeck. As Bangles e "Walk like an egyptian".

Cartoon Elias - 19 Dezembro 2011

Memória Histórica - 19 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: Primeira guerra da Indochina. Marie Reid cria o maillot de banho. A libertação de Andrei Sakharov. Estreia do filme "Titanic". Nasceram Leonid Brejnev e Edith Piaff. Os Abba e "One of Us".

Memória Histórica - 18 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: A União Indiana ocupa os territórios portugueses na Índia. A abolição da escravatura nos EUA. O "Quebra-Nozes" estreia em São Petersburgo. Termina a batalha de Verdun. Nasceram Steven Spielberg, Brad Pitt. Morreu Antonio Stradivari. Os The Tokens cantam "The Lion Sleeps Tonight".

sábado, 17 de dezembro de 2011

Reis Magos

(clicar imagem)
Não deixa de ser curiosa a História: ninguém recorda que os Reis Magos chegaram a Belém graças aos camelos.

Governo - Cartão Boas Festas

(clicar imagem)

Cartoon Elias - 17 Dezembro 2011

Memória Histórica - 17 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: O livro "Um conto de Natal" de Charles Dickens foi publicado pela primeira vez. O primeiro voo controlado dos irmãos Wright. Os Simpsons estreiam no canal Fox. Nasceram Paracelso, D. Maria I, a Louca, Érico Veríssimo e Fernando Lopes-Graça. Os Platters cantam "The Great Pretender".

Cartoon Elias - 16 Dezembro 2011

Memória Histórica - 16 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: O massacre de Wiriyamu em Moçambique. A Boston Tea Party. A Sinfonia do Novo Mundo estreia no Carnegie Hall, em Nova Iorque. nasceram Ludwig van Beethoven, Jane Austen, Liv Ullmann. Morreu Glenn Miller. Billy Paul canta "Me and Ms. Jones".

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Pedro Nuno Santos explica porque disse que o Governo deve "marimbar-se" para os credores


O Vice-Presidente da bancada do PS disse que nunca fez a apologia do não pagamento da dívida de Portugal. Em declarações, já hoje no Parlamento, Pedro Nuno Santos explica que as declarações que proferiu num jantar sábado em Castelo de Paiva são alguns segundos de uma intervenção muito longa.

Farpas de Pedro Nuno Santos

(clicar imagem)
O Vice-Presidente do Grupo Parlamentar do PS, Pedro Nuno Santos, defende que Portugal devia ameaçar deixar de pagar a dívida externa. Durante um jantar de Natal, no fim-de-semana em Castelo de Paiva, o deputado socialista e líder do PS-Aveiro, disse que o Governo devia "marimbar-se" para as exigências dos credores internacionais e poupar os portugueses aos sacrifícios.

Vice-Presidente da bancada do PS diz que o Governo deve "marimbar-se" para os credores internacionais

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Cartoon Elias - 14 Dezembro 2011

Memória Histórica - 14 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: Roald Amundsen chega ao Pólo Sul. O Processo dos Távoras. Max Planck lança as bases da física quântica. O Douro vinhateiro torna-se património da humanidade. Nasceram Paul Éluard, Jane Birkin e Vlad Tepes, o Conde Drácula. Os The Clash e "London Calling".

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Aviso Governamental

Aviso à navegação!
"Estamos muito longe de esgotar plafond de crescimento das taxas moderadoras".
(...) "Tenho a certeza que os portugueses saberão que nos próximos anos a reestruturação que está a ser desenvolvida na área da saúde não levará mais pessoas às urgências, antes pelo contrário, porque a intenção do Governo é que o alargamento do chamado médico de família, do acesso às unidades de saúde familiar possa suprir essa ineficiência do nosso sistema hospitalar".
por Pelintrão de São Bento

Cartoon Elias - 12 Dezembro 2011

Memória Histórica - 12 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: Marconi faz a primeira transmissão transatlântica via rádio. Surge o primeiro motel. Nasceram Gustave Flaubert, Edvard Munch e Frank Sinatra. Bill Halley and the Comets com "See you later alligator".

domingo, 11 de dezembro de 2011

Memória Histórica - 11 Dezembro 2011


DESCRIÇÃO: Assinatura do Protocolo de Quioto. Eduardo VIII abdica do trono inglês. A primeira guerra da Chechénia. A prisão de Bernard Madoff. Nasceram o Papa Leão X, Robert Koch, Carlos Gardel e Manoel de Oliveira. Os UHF com "Cavalos de Corrida".

sábado, 10 de dezembro de 2011