terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Justiça Popular

Algures em Lisboa

Somos todos Grécia

(clicar imagem)
Quer queiramos ou não somos todos Grécia
Paulo Portas, não concorda com uma eventual renegociação da dívida pública de Portugal e entende que essa opção poderá levar Portugal a “bater na parede”.
Para Paulo Portas, "ou Portugal quer ser Portugal, um caso específico, um país que honra a sua palavra", consegue cumprir as metas financeiras a que se propôs e recupera a sua "autonomia", ou pensa em "reestruturar ou renegociar a dívida" e vai "direitinho para a parede, ou dito de maneira mais clara, fica igual à Grécia". (...) "a conversa do não pagamos, reestruturamos e renegociamos", poderá originar situações de "prédios incendiados, carros destruídos, parlamentos cercados, uma sociedade completamente dividida e um país desmotivado", como acontece na Grécia.
O apelidado "Governo" português demonstra fragilidade, incapacidade e desespero. Não quer assumir e dizer a verdade aos portugueses.
Quem governa Portugal é o FMI (Poul Thomsen), Banco Central Europeu (Rasmus Rüffer) e Comissão Europeia (Jürgen Kröger).

Cartoon Elias - 28 Fevereiro 2012

Memória Histórica - 28 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO: Descoberta a estrutura da molécula de ADN. Fundado o Sport Lisboa e Benfica. O álbum "Thriller", de Michael Jackson, recebeu oito prémios Grammy. Nasceram Vincente Minelli, Frank Gehry, Paul Krugman, Rui Reininho e Paulo Futre. A orquestra de Ted Lewis gravou "On The Sunny Side of The Street".

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Fim do euro

Fim do Euro, Recomendações práticas

A saída do euro pode ocorrer de forma muito caótica, podendo levar ao colapso temporário do sistema de pagamentos e de distribuição

O risco de saída de Portugal do euro tem associados múltiplos riscos, dos quais gostaria de salientar três: o risco do colapso temporário do sistema de pagamentos, o risco do colapso temporário do sistema de distribuição de produtos e o risco de perda – definitiva – de valor de inúmeros activos (depósitos à ordem e a prazo, obrigações, acções e imobiliário, entre outros).

Considero que todos os portugueses devem “subscrever” seguros contra estes riscos, tal como fazem um seguro contra o incêndio da sua própria casa. Quando se compra este seguro, o que nos move não é a expectativa de que a nossa casa sofra um incêndio nos meses seguintes, um acontecimento com uma probabilidade muito baixa, mas sim a perda gigantesca que sofreríamos se a nossa habitação ardesse.

Quais são as consequências imediatas de Portugal sair do euro? A nova moeda portuguesa (o luso?) sofreria uma desvalorização face ao euro de, pelo menos, 20%. Todos os depósitos bancários seriam imediatamente transformados em lusos, perdendo, pelo menos, 20% em valor. Todos os depósitos ficariam imediatamente indisponíveis durante algum tempo (dias? semanas?) e não haveria notas e moedas de lusos, porque o nosso governo e o Banco de Portugal não consideram necessário estarmos preparados para essa eventualidade.

O mais provável é que a saída do euro fosse anunciada numa sexta-feira à tarde, havendo apenas o fim-de-semana para tratar da mudança de moeda. Logo, na sexta-feira os bancos retirariam todas as notas de euros das máquinas de Multibanco e quem não tivesse euros em casa ou na carteira ficaria sem qualquer meio de pagamento.

Durante algumas semanas (ou mais tempo) teríamos um colapso do sistema de pagamentos e, provavelmente, também um corte nos fornecimentos. As mercearias e os supermercados ficariam incapazes de se reabastecer, devido às dificuldades associadas à troca de moeda.

Estes “seguros” de que falo, contra este cenário catastrófico, não podem ser comprados em nenhuma companhia de seguros, mas podem ser construídos por todos os portugueses, estando ao alcance de todos, adaptados à sua realidade pessoal.

O que recomendo é algo muito simples que – todos – podem fazer. Ter em casa dinheiro vivo num montante da ordem de um mês de rendimento e a despensa cheia para um mês. Esta ideia de um mês de prevenção é indicativa e pode ser adaptada à realidade de cada família.

Não recomendo que façam isso de forma abrupta, mas lentamente e também em função das notícias que forem saindo. De cada vez que levantarem dinheiro, levantem um pouco mais que de costume e guardem a diferença. De cada vez que fizerem compras tragam mais alguns produtos para a despensa de reserva. Aconselho que procurem produtos com fim de validade em 2013 ou posterior, mas, nos casos em que isso não seja possível, vão gastando os produtos de reserva e trocando-os por outros com validade mais tardia. Desta forma, sem qualquer ruptura, vão construindo calmamente os vossos seguros contra o fim do euro.

Quanto custará este seguro? Pouquíssimo. Em relação ao dinheiro de reserva, o custo é deixarem de receber os juros de depósito à ordem, que ou são nulos ou são baixíssimos. Em relação aos produtos na despensa de reserva, é dinheiro empatado, que também deixa de render juros insignificantes.

Quais são os benefícios deste seguro? Se o euro acabar em 2012, como prevejo, o dinheiro em casa não se desvaloriza, mas o dinheiro no banco perderá, no mínimo, 20% do seu valor. Além disso terá o benefício de poder fazer pagamentos no período de transição, que se prevê extremamente caótico. A despensa também pode prevenir contra qualquer provável ruptura de fornecimentos, garantindo a alimentação essencial no período terrível de transição entre moedas. Parece-me que o benefício de não passar fome é significativo.

E se, por um inverosímil acaso, a crise do euro se resolver em 2012 e chegarmos a 2013 com o euro mais seguro do que nunca? Nesse caso – altamente improvável – a resposta não podia ser mais simples: basta depositar no banco o dinheiro que tem em casa e ir gastando os produtos na despensa à medida das suas necessidades.

Pedro Braz Teixeira, Investigador do NECEP da Universidade Católica

Fonte: http://www.ionline.pt/opiniao/fim-euro-recomendacoes-praticas

Grécia - Recortes

Guerra de Instituições [II]

(clicar imagem)
Reunião Semanal em Belém
O duelo seguirá por pouco tempo.

Guerra de Instituições [I]

Presidência da República vs. Governo
Cavaco Silva defende que a União Europeia deve recentrar as suas preocupações no crescimento económico e citou a propósito uma carta assinada por 12 primeiros-ministros europeus, mas não pelo chefe de Governo português Passos Coelho, chegando a afirmar que "Depois de uma fase em que se falou muito em consolidação orçamental, na União Europeia, o acento tónico está a ser colocado no desenvolvimento económico e agora até saiu mais uma carta assinada por 12 primeiros-ministros europeus" que sustenta este ponto de vista. Sente "uma certa satisfação" com essa reorientação das preocupações europeias porque "desde há muito tempo” que diz que “não se pode somar permanentemente austeridade a mais austeridade".
Passos Coelho responde a Cavaco: "Eu não respondo ao Senhor Presidente da República. Quero fazer esta observação preambular, porque eu não tenho um pingue-pongue público, mediado pelos senhores jornalistas e pelas televisões, relativamente às intervenções do Senhor Presidente da República. Portanto, não vou responder àquilo que, em cada circunstância, o Senhor Presidente da República entenda dever afirmar".

Cartoon Elias - 27 Fevereiro 2012

Cartoon Elias - 26 Fevereiro 2012

Memória Histórica - 27 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO: Fim da I Guerra do Golfo. Descoberta a sacarina. A Presidência de Portugal nega o pedido de independência da Madeira feito por Muhammar Kadhafi. Afonso de Albuquerque conquista o governo de Goa. Constantino I. John Steinbeck. Lawrence Durrell. Ariel Sharon. Elizabeth Taylor. Baptista Bastos. Norah Jones canta "Sunrise".

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Memória Histórica - 26 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO Foi assinada a declaração final da Conferência de Berlim. Napoleão Bonaparte evadiu-se da ilha de Elba. O congresso americano estabeleceu o Parque Nacional do Grand Canyon, no Arizona. Nasceram Victor Hugo, Levi Strauss, Johnny Cash, Paulo Pires. Phill Collins recebeu um grammy por "Against all odds".

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Cartoon Elias - 25 Fevereiro 2012

Memória Histórica - 25 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO: Foi abolida a escravatura em todos os domínios portugueses. Samuel Colt recebeu a patente do actual revólver. Nikita Kruschev denuncia Estaline num discurso arrasador. Triunfo da revolução filipina de 1986. Nasceram Pierre-Auguste Renoir, Cesário Verde, Enrico Caruso, George Harrison. Os Van Halen chegaram ao top com "Jump".

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Mr. Passos

(clicar imagem)
Estreia Mundial
A melhor comédia do ano
Estreia Março de 2012

Gestor de Carreira

O Governo quer (mas não consegue) colocar no mercado mais
de 3.000 desempregados por mês até 2013.

Os desempregados têm agora um "gestor de carreira",
que permite ter um acompanhamento contínuo.
É bestial!...

Cartoon Elias - 24 Fevereiro 2012

Memória Histórica - 24 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO: Juan Domingo Perón venceu as eleições presidenciais argentinas. O Palácio de Buckingham anunciou oficialmente o noivado de Carlos, príncipe de Gales, e Lady Diana Spencer. Assembleia Nacional de Cuba escolheu por unanimidade Raul Castro como sucessor de Fidel na presidência de Cuba. O México declarou a independência face a Espanha. Nasceram Ibn Battuta, David Mourão-Ferreira, Steve Jobs e Alain Prost. Roberta Flack chegou ao nº 1 do top com "Killing me softly".

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Super Ministro Pacóvio

(clicar imagem)
De calças na mão o Relvas está convecido que chegará a 2013
quando diz :"Não há tolerância de ponto no Carnaval em 2013"?

Cartoon Elias - 23 Fevereiro 2012

Memória Histórica - 23 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO: Francisco Vázquez de Coronado parte em busca das sete cidades do ouro. Cuba cede a Baía de Guantánamo aos EUA. O ataque terrorista de 1993 ao World Trade Center. Nasceu Georg Handel. Morreu Zeca Afonso. As The Chiffons lançam "He's so fine".

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Reformas chorudas...

(clicar imagem)
Política do Governo

Cartoon Elias - 22 Fevereiro 2012

Memória Histórica - 22 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO: Juan Domingo Perón venceu as eleições presidenciais argentinas. O Palácio de Buckingham anunciou oficialmente o noivado de Carlos, príncipe de Gales, e Lady Diana Spencer. Assembleia Nacional de Cuba escolheu por unanimidade Raul Castro como sucessor de Fidel na presidência de Cuba. O México declarou a independência face a Espanha. Nasceram Ibn Battuta, David Mourão-Ferreira, Steve Jobs e Alain Prost. Roberta Flack chegou ao nº 1 do top com "Killing me softly".

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Cartoon Elias - 20 Fevereiro 2012

Memória Histórica - 20 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO: Marinetti publica o "Manifesto Futurista". A inauguração do Met Museum de Nova Iorque. Estreia do filme "Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse". O PS vence eleições legislativas de 2005. Nascem Sidney Poitier, Mike Leigh, Cindy Crawford, Kurt Cobain. Morre Vitorino Nemésio. Jennifer López e "Get Right".

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Residência Oficial do Primeiro-Ministro

(clicar imagem)
Convívio com as políticas de insucesso.

Trambolhão Político

De salto alto caminha sorridente
De salto alto conquista muita gente
De salto alto é apenas um meretriz
De salto alto vai sambando na avenida
De salto alto enfrenta mil protestos
De salto alto faz muito sucesso
De salto alto luta para não cair
Mas o trambolhão é o seu destino.

Memória Histórica - 19 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO: A Batalha de Iwo Jima. A independência do Chipre. Lançamento do primeiro módulo da MIR. Fundada a Battle Creek Toasted Cornflake Company. Nasceram Nicolau Copérnico e Constantin Brancusi. Harry Nilsson e "Without you".

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Fidalgos, Queques e Betinhos

por Miguel Esteves Cardoso

Os Portugueses têm algo de figadal contra todos os que tenham algo de fidalgal. Como as crianças, confundem muito a fidalguia, que é uma simples condição social, com a aristocracia, que é um sistema político em que o poder pertence aos nobres. E, no entanto, como diria Chesterton, não há mérito automático em ser fidalgo, nem vergonha em pertencer decididamente (como eu) à ralé.

Em Portugal a nossa civilização deve muito a duas classes minoritárias. Ambas são gente simples, com posses reduzidas e educação informal. Refiro-me, obviamente, à plebe e à nobreza. O pretensiosismo dominante, seja proletário ou possidónio, seja triunfalista ou disfarçado, encontra-se nas classes restantes, que constituem a grande maioria da população. Mas um pastor ou um pescador é tão senhor como um fidalgo. Como ele, vê o mundo de uma maneira antiga, em que cada coisa tem o seu lugar, o seu sentido e o seu valor. O pior é o operariado, a pequena, média e alta burguesia: enfim, quase toda a gente. É esta gente que se preocupa com a classe a que pertence. Enquanto o pastor e o visconde se ocupam, os outros preocupam-se. Os primeiros não querem ser o que não são. Os outros adorariam. Os primeiros aceitam o que são, sem vaidade. Os outros têm sempre um bocadinho de vergonha e por isso disfarçam, parecendo vaidosos.

Quem é fidalgo e quem é que quer ser?

Em Portugal existem três classes distintas. Há a classe dos fidalgos – os meninos “bem”. E depois há duas classes falsamente afidalgadas. Há os meninos “queques”, filhos de pais “queques” mas com avós que não. E há os “betinhos”, filhos de pais que, simplesmente, não.

O “menino bem” é aquele que não sabe muito bem em que século começou a fortuna da família. Geralmente é pobre, com a consolação irritante do passado rico. É muito bem-educado e jamais se lembraria de lembrar aos outros que é “bem”. O “queque” sabe perfeitamente que foi o avô ou o bisavô que abriu a fábrica ou a loja que enriqueceu a família. Geralmente é bastante rico. Embora tenha frequentado os colégios correctos, tem sempre um enorme complexo de inferioridade em relação aos “meninos bem”, o que o leva a fazer-se mais do que é. De bom grado trocaria grande parte da sua fortuna pela antiguidade e pelo prestígio de um bom título.

Finalmente, o “betinho” é aquele cujo pai nasceu pobre, indesmentivelmente operário. O betinho procura dar-se, em vão, com queques e meninos bem, mas a sua educação é formal e institucional, não familiar. É o mais rico de todos, mas é também o mais envergonhado. O betinho por excelência é aquele que não suporta a vergonha de um pai nascido entre o povaréu. Evita apresentá-lo aos amigos. Tudo faz para ocultar a sua proximidade genealógica ao vulgacho.

Tanto o queque como o betinho são o resultado de self-made man, homens que se levantaram pelas próprias mãos, quantas vezes rudes e calejadas e tudo o mais. O menino bem, em contrapartida, nem sequer compreende o conceito de self-made man. Porque é que um homem se há-de “fazer a si próprio” quando houve sempre pessoal, criados e caseiros, para se ocupar dessas tarefas desagradáveis?

Distinguem-se em tudo. A falar, por exemplo. O menino bem usa todas as formas de tratamento, desde “a menina” – A menina vai levar o Jorge ou vai sozinha no Volvo? – até ao “Psst, tu que fumas”.

O queque, por ser menos seguro, trata toda a gente por “Você”, incluindo os criados e as crianças (o que não é correcto, mas parece). O betinho, a esse respeito, está em absoluta autogestão. Tenta tratar mal aqueles que considera inferiores (demasiado mal) e bem aqueles que considera superiores (demasiado bem). No fundo é um labrego engraxado que julga sinal de aristocracia dizer os erres como se fossem guês.

O que caracteriza o menino bem é o seu total à vontade no mundo. Nunca se enerva, nunca hesita, nunca está muito preocupado. Haja ou não dinheiro. O menino bem dá-se bem com a pobreza e encara o sobe e desce da sorte com a naturalidade com que aceita a circulação do sangue pelas veias. Por isso dá-se bem com toda a gente. Nada tem a perder ou a ganhar.

Os queques não são assim. Pensam que nasceram para o brilho baço do privilégio. Vivem obcecados pelo dinheiro já que é o dinheiro que lhes permite comprar todos aqueles adereços (relógios Rolex, automóveis Porsche) que consideram indispensáveis ao seu estatuto social. Um menino bem, em contrapartida, nunca usa relógio – porque é que há-de querer saber as horas? O queque só se dá com pessoas “do seu meio”. Enquanto o menino bem tem aquele rapport feudal com caseiros, varinas e pedreiros, que constitui uma forma multissecular de intimidade, o queque aflige-se em “manter as distâncias” com esse gentião, precisamente por serem tão curtas.

O betinho é uma pilha de nervos. Ninguém o respeita. Dá-se quase exclusivamente com outros betinhos, do mesmo ramo de importação de electrodomésticos ou da construção civil. Não gostam de sair da sua zona. Os de Lisboa, por exemplo, só quando há uma emergência é que saem do Restelo. Ao contrário dos queques, evitam falar em dinheiro porque se sentem comprometidos. Esforçam-se mais por serem meninos bem do que os queques, que julgam já serem meninos bem. Andam sempre vestidos pelas lojas mais tradicionais (camisa aos quadradinhos, casaquinho de malha, jeans novinhos e mocassins pretos com correiazinha de prata ou berloques de cabedal), ao passo que os queques compram roupa mais moderna na boutique da moda. Escusado será dizer que os autênticos meninos bem andam sempre mal vestidos, com a camisola velha do pai e as calças coçadas do irmão mais velho. A única diferença é que as camisolas e as calças que têm em casa duram cem anos. Os avós já compram camisas a pensar que hão-de servir aos netos. Aliás, os fidalgos são sempre mais forretas que a escória.

No que toca aos hábitos alimentares, os meninos bem comem sempre em casa. Como as famílias são geralmente muito grandes (de resto, como sucede com o populacho), a comida é quase sempre do tipo rancho, ou sempre servida com muito puré de batata.

Os queques estão sempre a almoçar e a jantar fora, em grupos grandes com muitos rapazes e raparigas a exclamar: “Ai, já não há pachorra para o quiche lorraine!” Aqui se denunciam as suas verdadeiras origens sociais. Para um menino bem, comer fora é uma espécie de solução de emergência, quando não dá jeito comer em casa. Para um queque é um prazer.

Nas casas bem, a qualquer hora do dia, há sempre uma refeição a ser servida a um número altamente variável de crianças, primos, criadas, motoristas, tias, etc.

Nas casas queques as refeições variam conforme os convidados. Nas bem são sempre rigorosamente iguais. Os queques têm a mania dos restaurantes – conhecem-nos tão bem como os meninos bem conhecem (e odeiam) as cozinheiras. E os betinhos? Os betinhos tentam evitar as refeições o mais possível. Comem sozinhos em casa (os betinhos tendem a ser filhos únicos) ou levam betinhas a jantar. Porquê? Porque têm a paranóia de serem “descobertos” através dos modos de estar à mesa. Mas, na verdade, só são descobertos pelo seu excesso de boas maneiras. Um betinho à mesa está sempre “rijo”, atento, receoso de tirar uma azeitona por causa do terror de não saber lidar com o caroço. Os queques comportam-se como animais, espetando garfos nas mãos estendidas dos outros, soprando pela palhinha para fazer bolinhas no Sprite e atirando os caroços para martirizar o cocker spaniel. Quanto aos meninos bem, encaram as refeições como uma simples necessidade fisiológica. Comem e calam-se. Falam só para dizer “passa a manteiga” ou “Parece que houve uma revolução popular em Lisboa, passa a manteiga”.

Não são, portanto, os fidalgos que dão mau nome à fidalguia – são os queques e betinhos. Estes cultivam ridiculamente os “brasões” e as “quintas”, fingindo que não gostam de falar nisso. Em contrapartida, nas casas fidalgas, os filhos das criadas experimentam os lápis de cera nos retratos a óleo dos antepassados. E ninguém liga...

Miguel Esteves Cardoso, Os meus Problemas
12 Fevereiro 2011

Fonte: http://nucleomonarquicoabrantes.blogspot.com/2011/02/fidalgos-queques-e-betinhos.html

Torneio de Golfe do Banco de Portugal

Cartoon Elias - 18 Fevereiro 2012

Memória Histórica - 18 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO: Descoberta de Plutão. A Batalha de Almoster. Neve no Sahara. A publicação de "Huckleberry Finn". Nasceram Alessandro Volta, Enzo Ferrari, António Aleixo, Yoko Ono, Bobby Robson, Carlos Lopes, John Travolta. Morreu Fra Angelico. Ray Charles gravou "What'd I say".

Troika de novo em Portugal

FMI (Poul Thomsen), Banco Central Europeu (Rasmus Rüffer)
e Comissão Europeia (Jürgen Kröger) em Portugal
Terceira avaliação do Programa de Assistência Económica e Financeira de Portugal

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Cartoon Elias - 17 Fevereiro 2012

Memória Histórica - 17 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO: O Volkswagen Carocha torna-se o carro mais vendido de sempre. Giordano Bruno é morto na fogueira. Estreia da ópera "Madama Butterfly".O Kosovo declara a independência. Nasceram Isabelle Eberhardt, Ruth Rendell, Michael Jordan, Paris Hilton. Morreu o chefe apache Jerónimo. Doris Day e "Secret Love".

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Funcionário Público Reformado - Sem Crédito

(clicar imagem)
Já ninguém dá crédito ao Senhor Silva.

Cartoon Elias - 16 Fevereiro 2012

Memória Histórica - 16 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO: O Marquês de Pombal põe fim às distinções entre cristãos-velhos e cristãos-novos. Convenção de Badajoz. Fidel Castro torna-se líder de Cuba. Protocolo de Quioto entra em vigor. Nasceram Carlos Paredes, John McEnroe. Os Del Vikings e "Come and go with me".

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Cartoon Elias - 15 Fevereiro 2012

Memória Histórica - 15 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO: Em 2005 foi criado o Youtube. Robert Edwards fez a primeira fertilização "in vitro". O jornal "Avante!" foi publicado pela primeira vez. O ataque aliado ao Mosteiro de Monte Cassino. Nasceu Galileu Galilei. Morreu Nat King Cole. Duke Ellington gravou "Take the A-Train".

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Perguntas ao Governo I

(clicar imagem)
120 Euros cada exemplar + IVA.

Obrigado, Excelências!

video

Dia dos Namorados

(clicar imagem)

Previsões da OCDE - Actividade Económica de Portugal em 2011

Portugal afunda-se, Grécia e Irlanda em recuperação
Dos três países que se encontram em processo de resgate, apenas em Portugal a actividade económica deverá continuar a cair nos próximos meses. Grécia e Irlanda dão sinais de recuperação.

Os indicadores compósitos divulgados, que apontam a tendência de crescimento ou queda a acontecer num período em média à volta de seis meses (entre 4 a 8 meses) - relativos a Portugal voltaram a cair em Dezembro, aprofundando a perspetiva de contracção para o futuro próximo.
Os indicadores compósitos avançados relativos à Irlanda estão a melhorar há três meses e já se encontram acima da média de longo prazo, enquanto na Grécia a melhoria tem-se verificado consecutivamente nos últimos seis meses.
A resposta de Passos Coelho a tudo isto: "Não sejam piegas", "vamos ser a excepção", "estamos no bom caminho", "não vai haver ajustamento custe o que custar", "estamos a aplicar as reformas estruturais necessárias", "vai valer a pena", "temos feito progressos", etc.
Tal como no Ministério da Justiça, Portugal tornou-se um laboratório de experiências.

Cartoon Elias - 14 Fevereiro 2012

Memória Histórica - 14 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO: Khomeini proferiu a fatwa que ordenava a execução do escritor Salman Rushdie. A empresa C-T-R mudou o seu nome para IBM. Os inventores Alexander Graham Bell e Elisha Gray fizeram o registo do telefone. Nasceram Thomas Robert Malthus, D. Maria Pia de Sabóia e Angel DiMaria. Morreu São Valentim. Morreu a Dolly - a ovelha clonada. Just a Gigolo chega ao nº 1 do top pela voz de Ted Lewis.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Desgaste da Política de Austeridade

(clicar imagem e veja o desespero)

Vê, Ouve e Cala

Negociatas de bastidores
Numa conversa informal antes de ter início a reunião do Eurogrupo, em Bruxelas, filmada pela TVI, o Ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schauble, disse a Vítor Gaspar, que face ao sucesso negocial relativo ao segundo pacote de ajuda internacional à Grécia, a Alemanha está disponível para rever as condições do acordo assinado com Portugal. Vítor Gaspar agradeceu a disponibilidade da Alemanha para flexibilizar as condições do empréstimo da "troika" a Portugal - "Isso será muito apreciado".
Descoberta a marosca, Wolfgang Schauble já veio dizer que não está previsto qualquer pacote de ajudas adicionais a Portugal, sublinhando que o país está a "cumprir até agora as medidas de austeridade acordadas, como revelam todos os relatórios da troika".
Como sempre, Cavaco Silva não comenta conversa entre ministros das Finanças de Portugal e Alemanha sobre a disponibilidade da Alemanha em rever as condições do acordo assinado com Portugal.
E diz o nosso Aníbal que "Quanto sei, quer a parte portuguesa, quer a parte alemã já esclareceram esse assunto e já lhe deram a verdadeira interpretação das suas palavras, e, portanto, compreende que eu não queira acrescentar absolutamente mais nada àquilo que, quer a parte portuguesa, quer a parte alemã já esclareceu".

Crise na Grécia

Reacção dos gregos à aprovação do "Plano de Austeridade".
Manifestantes gregos escrevem nas paredes
do Banco Central da Grécia.

Cartoon Elias - 13 Fevereiro 2012

Memória Histórica - 13 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO: O assassinato de Humberto Delgado. O "Tratado de Lisboa" foi assinado. O bombardeamento de Dresden. Nasceram Peter Gabriel, Agostinho da Silva e Robbie Williams. Morreu a irmã Lúcia. O álbum dos Black Sabbath lança o primeiro disco de heavy metal.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Portugal - Groverno Troika

(clicar imagem)
O funcionário do Governo Troika diz agora que a tolerância de ponto na terça-feira de Carnaval não acabou. Foi apenas suspensa num "ano de emergência nacional". Entretanto, a decisão foi tomada com outro fundamento: é que a troika chega para nova avaliação da execução das medidas do memorando precisamente uns dias antes dos tradicionais festejos carnavalescos.
Quase uma centena de câmaras já anunciaram que vão dar tolerância de ponto (Torres Vedras, Loulé e a Mealhada, mas também outras como Lisboa e Porto e até as da Madeira e dos Açores), o que implica que muitas escolas básicas (de gestão autárquica) estejam encerradas – as outras vão estar abertas, mas sem aulas . Quanto aos tribunais, não têm audiências marcadas. E a maioria das empresas, por força dos contractos colectivos, vão dar feriado aos seus trabalhadores (incluindo os CTT, a TAP, a Autoeuropa e a Cimpor).

Arrependimento de Cavaco

Cavaco admitiu o erro político quando não concedeu a tradicional tolerância de ponto na terça-feira de Carnaval em 1993, então, Primeiro-Ministro, apesar de não querer ouvir quem o desincentivava.
Apesar dos seus argumentos – em nome "do interesse nacional" e porque era importante "difundir aos portugueses a mensagem de que era com trabalho, e não com facilidades, que poderíamos vencer as dificuldades" – o resultado não foi o esperado. O país ficou praticamente parado, foi um acto de desobediência civil.
Passados vários anos, Cavaco escrceve no segundo volume da sua autobiografia política: "Em Fevereiro de 1993, cometi o erro político de não assinar o despacho que concedia aos funcionários públicos tolerância de ponto na terça-feira de Carnaval".
O que escreverá o "funcionário" do "Governo Troika" daqui a alguns anos?

Memória Histórica - 12 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO: O dia em que em 1999 terminou o processo do "impeachment" do presidente americano Bill Clinton. A palavra "podcasting" surgiu pela primeira vez. Pu Yi, o último imperador da China, foi forçado a abdicar. A Mattel anunciou a separação de Barbie e Ken. Nasceram Abraham Lincoln, Charles Darwin, Anna Pavlova e Franco Zefirelli. Celine Dion chegou ao top americano com "The Power of Love".

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Manifestação Nacional

Não sou Comuna mas apoio!

Cartoon Elias - 11 Fevereiro 2012

Memória Histórica - 11 Fevereiro 2012


DESCRIÇÃO: O dia da libertação de Nelson Mandela. Mubarak deixa o poder no Egito durante a Primavera Árabe. Os Beatles gravaram o primeiro álbum. Nasceram Thomas Edison, Mary Quant, Simone de Oliveira e Joseph Mankiewicz. Morreu Sylvia Plath. Cher gravou o tema "Bang Bang".

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Ryanair lança campanha “menos piegas”

(cliclar imagem e comprove)
A palavra “piegas” utilizada pelo Primeiro-Ministro, Pedro Passos Coelho, está a dar que falar. Até a companhia aérea Ryanair aproveitou para se promover no mercado português.

“A oferta Ryanair está menos exigente, mais complacente e menos piegas” é o novo slogan da empresa low cost, que pretende lançar uma campanha de viagens a preços reduzidos.

É tão ridículo este Primeiro-Ministro de Portugal.

Frase do dia

Álvaro Santos Pereira, Ministro da Economia, durante a Comissão Parlamentar da Economia que discute o desinvestimento da fábrica da Nissan em Aveiro, diz que está farto das insinuações dos partidos comunistas no que respeita ao facto de ter sido emigrante durante alguns anos. A reacção não se fez esperar por parte do Deputado Agostinho Lopes do PCP: "Não diga asneiras, porra! Quem está a dizer que não gosta emigrantes?".

A Loira da Assembleia da República

Secretas vs. Direito Potestativo vs. Praxis=Decadência
Para chamar Passos Coelho a responder sobre as notícias que surgiram sobre as secretas, o PCP invocou o artigo 104º, alínea 4, do Regimento da Assembleia da República segundo o qual “cada Grupo Parlamentar pode, em cada sessão legislativa, requerer potestativamente a presença de membros do governo”. Não foi esta, porém, a interpretação de Assunção Esteves que se colocou ao lado dos partidos da maioria que pretendiam travar a ida de Passos à Comissão de Assuntos Constitucionais.
Devido às divergências na interpretação do "Regimento" entre maioria e oposição, o caso acabou por chegar às mãos da Presidente do Parlamento para uma decisão final.
Assunção Esteves (do PSD) colocou-se ao lado dos partidos da maioria - PSD/CDS - que pretendiam travar a ida de Passos à Comissão de Assuntos Constitucionais e decidiu que Passos Coelho não está obrigado a ir ao Parlamento prestar esclarecimentos sobre as secretas na perspectiva do Regimento, a comparecer na Comissão.

Que esconde Passos Coelho aos portugueses?

Facadas alemãs

A chanceler alemã, Angela Merkel, apontou a Madeira como um mau exemplo da aplicação dos fundos estruturais europeus."Quem já esteve na Madeira deve ter ficado convencido de que os fundos estruturais europeus foram bem aplicados na construção de muitos túneis e auto-estradas, mas isso não conduziu a que haja mais competitividade".
Não sabe Angela Merkel que "as verbas dos fundos estruturais não podem ser aplicadas a não ser nas obras, projectos e actividades que mereçam a aprovação da União Europeia e que os regulamentos o permitam, sob pena de o país ou regiões que recebem esses fundos terem de os restituir com penalizações e às vezes bem pesadas e com perda de fundos futuros?" - Guilherme Silva

Cartoon Elias - 10 Fevereiro 2012