sábado, 31 de outubro de 2009

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Uma Angolana... Uma Ministra da Cultura


Nascida em Sá da Bandeira (Lubango), Angola, em 1961.
Quando já tinha completado o Curso Superior de Piano do Conservatório de Lisboa, licenciou-se em Ciências Musicais pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.
Uma voz conhecida do público da Antena 2.
Sai directamente do cargo de Directora Regional da Cultura dos Açores para o Palácio da Ajuda.
A Comunidade Angolana em Portugal deseja as maiores felicidades neste seu grande desafio.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Santa Inquisição

Deus não é de se fiar.
Que diabo de Deus é esse que, para enaltecer Abel, despreza Caim?
José Saramago no lançamento do seu novo livro, "Caim", considerou a Bíblia "um manual de maus costumes, um catálogo de crueldade e do pior da natureza humana".

Reacção de um Eurodeputado e Vice-Presidente do Partido Popular Europeu, eleito pelo PSD - Mário David, com as recentes declarações do Nobel da Literatura José Saramago, sobre a Bíblia.

"Há uns anos [José Saramago], fez a ameaça de renunciar à cidadania portuguesa. Na altura, pensei quão ignóbil era esta atitude. Hoje, peço-lhe que a concretize... E depressa!“ ...

“Tenho vergonha de o ter como compatriota! Ou julga que, a coberto da liberdade de expressão, se lhe aceitam todas as imbecilidades e impropérios?”...

”Se a outorga do Prémio Nobel o deslumbrou, não lhe confere a autoridade para vilipendiar povos e confissões religiosas, valores que certamente desconhece mas que definem as pessoas de bom carácter”.

Luz Casal - Piensa en Mi

video
in "Tacones Lejanos", de Pedro Almodóvar

El Factor Dios - Jose Saramago

video

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

terça-feira, 20 de outubro de 2009

O Polvo

Os Tentáculos do Polvo e Outras Histórias Portuguesas

Cônsul Mota-Engil

Portugal no seu melhor...


in "Sábado", 15 Outubro 2009

Narciso - O Deputado Gay do PS




(...)
in "Correio da Manhã", 18 Outubro 2009

Marta Rebelo - A Deputada Cessante do PS

Que saudades vamos ter da sua ausência no Parlamento



in "Pública", 18 Outubeo 2009

Governo do Partido Socialista - Avaliação dos Ministros



in "Correio da Manhã", 19 Outubro 2009

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Precisa-se de Matéria Prima Para Construir um País

Eduardo Prado Coelho, antes de falecer (25 Agosto 2007), teve a lucidez de nos deixar esta reflexão, sobre nós todos, por isso façam uma leitura atenta.




A crença geral anterior era de que Santana Lopes não servia, bem como Cavaco, Durão e Guterres.
Agora dizemos que Sócrates não serve.
E o que vier depois de Sócrates também não servirá para nada.
Por isso começo a suspeitar que o problema não está no trapalhão que foi Santana Lopes ou na farsa que é o Sócrates.
O problema está em nós. Nós como povo.
Nós como matéria prima de um país.
Porque pertenço a um país onde a ESPERTEZA é a moeda sempre valorizada, tanto ou mais do que o euro.
Um país onde ficar rico da noite para o dia é uma virtude mais apreciada do que formar uma família baseada em valores e respeito aos demais.
Pertenço a um país onde, lamentavelmente, os jornais jamais poderão ser vendidos como em outros países, isto é, pondo umas caixas nos passeios onde se paga por um só jornal E SE TIRA UM SÓ JORNAL, DEIXANDO-SE OS DEMAIS ONDE ESTÃO.
Pertenço ao país onde as EMPRESAS PRIVADAS são fornecedoras particulares dos seus empregados pouco honestos, que levam para casa, como se fosse correcto, folhas de papel, lápis, canetas, clips e tudo o que possa ser útil para os trabalhos de escola dos filhos... e para eles mesmos.
Pertenço a um país onde as pessoas se sentem espertas porque conseguiram comprar um descodificador falso da TV Cabo, onde se frauda a declaração de IRS para não pagar ou pagar menos impostos.
Pertenço a um país:
— Onde a falta de pontualidade é um hábito;
— Onde os directores das empresas não valorizam o capital humano.
— Onde há pouco interesse pela ecologia, onde as pessoas atiram lixo nas ruas e, depois, reclamam do governo por não limpar os esgotos.
— Onde pessoas se queixam que a luz e a água são serviços caros.
— Onde não existe a cultura pela leitura (onde os nossos jovens dizem que é “muito chato ter que ler”) e não há consciência nem memória política, histórica nem económica.
— Onde os nossos políticos trabalham dois dias por semana para aprovar projectos e leis que só servem para caçar os pobres, arreliar a classe média e beneficiar alguns.
Pertenço a um país onde as cartas de condução e as declarações médicas podem ser “compradas”, sem se fazer qualquer exame.
— Um país onde uma pessoa de idade avançada, ou uma mulher com uma criança nos braços, ou um inválido, fica em pé no autocarro, enquanto a pessoa que está sentada finge que dorme para não lhe dar o lugar.
— Um país no qual a prioridade de passagem é para o carro e não para o peão.
— Um país onde fazemos muitas coisas erradas, mas estamos sempre a criticar os nossos governantes.
Quanto mais analiso os defeitos de Santana Lopes e de Sócrates, melhor me sinto como pessoa, apesar de que ainda ontem corrompi um guarda de trânsito para não ser multado.
Quanto mais digo o quanto o Cavaco é culpado, melhor sou eu como português, apesar de que ainda hoje pela manhã explorei um cliente que confiava em mim, o que me ajudou a pagar algumas dívidas.
Não. Não. Não. Já basta.
Como “matéria prima” de um país, temos muitas coisas boas, mas falta muito para sermos os homens e as mulheres que o nosso país precisa.
Esses defeitos, essa “CHICO-ESPERTERTICE PORTUGUESA” congénita, essa desonestidade em pequena escala, que depois cresce e evolui até se converter em casos escandalosos na política, essa falta de qualidade humana, mais do que Santana, Guterres, Cavaco ou Sócrates, é que é real e honestamente má, porque todos eles são portugueses como nós, ELEITOS POR NÓS.
Nascidos aqui, não noutra parte...
Fico triste.
Porque, ainda que Sócrates se fosse embora hoje, o próximo que o suceder terá que continuar a trabalhar com a mesma matéria prima defeituosa que, como povo, somos nós mesmos.
E não poderá fazer nada...
Não tenho nenhuma garantia de que alguém possa fazer melhor, mas enquanto alguém não sinalizar um caminho destinado a erradicar primeiro os vícios que temos como povo, ninguém servirá.
Nem serviu Santana, nem serviu Guterres, não serviu Cavaco, nem serve Sócrates e nem servirá o que vier.
Qual é a alternativa ?
Precisamos de mais um ditador, para que nos faça cumprir a lei com a força e por meio do terror ?
Aqui faz falta outra coisa. E enquanto essa “outra coisa” não comece a surgir de baixo para cima, ou de cima para baixo, ou do centro para os lados, ou como queiram, seguiremos igualmente condenados, igualmente estancados... igualmente abusados!
É muito bom ser português. Mas quando essa portugalidade autóctone começa a ser um empecilho às nossas possibilidades de desenvolvimento como Nação, então tudo muda...
Não esperemos acender uma vela a todos os santos, a ver se nos mandam um messias.
Nós temos que mudar. Um novo governante com os mesmos portugueses nada poderá fazer.
Está muito claro... Somos nós que temos que mudar.
Sim, creio que isto encaixa muito bem em tudo o que anda a acontecer-nos:
Desculpamos a mediocridade de programas de televisão nefastos e, francamente, somos tolerantes com o fracasso.
É a indústria da desculpa e da estupidez.
Agora, depois desta mensagem, francamente, decidi procurar o responsável, não para o castigar, mas para lhe exigir (sim, exigir) que melhore o seu comportamento e que não se faça de mouco, de desentendido.
Sim, decidi procurar o responsável e ESTOU SEGURO DE QUE O ENCONTRAREI QUANDO ME OLHAR NO ESPELHO.
AÍ ESTÁ. NÃO PRECISO PROCURÁ-LO NOUTRO LADO.
E você, o que pensa ?... MEDITE !

Eduardo Prado Coelho, “Público”

PSD - Lisboa Sem Sentido

Derrota Eleitoral

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Tratado de Lisboa Decidido Pela Irlanda, ou Seria Tratado de Bilderberg?

O vídeo abaixo é muito esclarecedor ao mostrar os reais interesses por trás deste Tratado

video

No segundo plebiscito para os irlandeses decidirem se a Irlanda apoiará o Tratado de Lisboa ou não, a mídia e os líderes europeus usam de tácticas de ameaças sensacionalistas para convencerem os eleitores de que o tratado é a única opção para salvar o país e a continuação. O Primeiro-Ministro da Irlanda, Brian Cowen, alertou que outra rejeição prejudicaria as tentativas da Irlanda de inverter a sua aguda recessão e sua influência na Europa. "Os resultados irão determinar o futura direcção do nosso país e eu estou pedindo às pessoas para votarem e de pensar claramente antes de tomar essa decisão vital", disse ele. "Apoio o voto Sim é forte. No entanto, nada pode ser dado como certo. Estou apelando a todas as pessoas neste país que acreditam que a Irlanda e da Europa são melhores juntos para ajudar a conseguir um voto sim".

• República Tcheca Enquanto isto, do lado leste da Europa, a República Tcheca volta para cima do muro em relação ao Tratado de Lisboa. Apesar do Parlamento tcheco ter ratificado o Tratado na primavera de 2009, Václav Klaus, o Presidente tcheco, precisa ainda assiná-lo. Václav acredita que o Tratado enfraquece a soberania da República Tcheca, desta forma, ele se opõe a ratificação do Tratado. Ele tentou desacelerar o processo de ratificação de diversas formas. Em Setembro de 2008, ele afirmou que não assinaria o Tratado antes do referendo irlandês. Depois, alguns senadores apresenatram uma reclamação contra certas partes do tratado e Václav declarou que iria esperar o veredito da Corte Constitucional. Por último, o Tribunal rejeitou esta acusação em Novembro de 2008. Recentemente, no Tribunal Constitucional, em 29 de setembro de 2009, um grupo de senadores Checa apresentaram uma segunda reclamação contra o Tratado e Presidente tcheco, Vaclav Klaus disse novamente que iria aguardar a decisão do Tribunal de Justiça a assinar o Tratado. Segundo especialistas, pode levar até 6 meses para o Tribunal a emitir uma decisão. Durante este tempo, acontecerão as eleições gerais do Reino Unido e de acordo com as pesquisas de opinião, prevê-se que os conservadores vão ganhar a eleição, e os conservadores no Reino Unido prometeram colocar o Tratado de Lisboa a referendo, se não estiver já em vigor. Portanto, ao fazer isso, o Presidente Kluas, como líder entre os céticos do euro, planeja criar novos obstáculos para o Tratado de Lisboa, em caso de um resultado "sim" no segundo referendo irlandês, que realizado em 2 de Outubro de 2009. O Tratado de Lisboa irá provocar uma grande mudança na estrutura actual da União Européia através da alterações dos Tratados anteriores e o principal objectivo é tornar a UE mais forte no século XXI. Algumas mudanças importantes são a extensão do voto por maioria qualificada (QMV), a criação de um Presidente do Conselho Europeu e um Alto Representante para os Assuntos Externos. Como resultado, os euro-céticos criticam como um enfraquecimento da soberania dos estados membros. O Tratado de Lisboa deve ser aprovado por todos os 27 estados membros, a fim de produzir efeitos no sistema jurídico da UE. No entanto, a República Checa, Irlanda e Polónia ainda têm ainda de ratificá-lo, apesar da ratificação de outros membros.

• Vaticano Contra o Tratado

Enquanto os eleitores irlandeses vão às urnas pela segunda vez no tratado, os militantes do "Não" apoiam-se nas observações feitas pelo Cardeal Tarcisio Bertone, Secretário de Estado do Vaticano, durante a visita do Papa à República Tcheca. As observações seguiram a desaprovação do Vaticano pela União Europeia se recusar a reconhecer a herança cristã da Europa no texto do Tratado de Lisboa. A UE também contrariou os católicos no passado, por decidir que o aborto deve ser tratado como um "serviço médico", tal como qualquer outro tratamento. "Cada um dos países europeus têm a sua própria identidade. A UE impõe suas leis ou opiniões aos países membros, não precisando se encaixar às suas tradições e história. Alguns países logicamente resistindo, como por exemplo, a Irlanda", disse o Cardeal Bertone.
Fontes: AFP:Hosted by Google Back to Google News Final push in Ireland's crunch vote on European treaty Turkish Weekly:Czechs Attempts to Block Lisbon Treaty.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009